Assecor

Como mudar o mundo? :: J. Oliveira

Fonte: www.blogueirasfeministas.com

Sexta-feira à noite, trânsito infernal no Rio de Janeiro, acabei perdendo o vôo para Brasília. Para pegar o próximo, precisava esperar mais de seis horas e decidi comprar um livro para passar o tempo. Escolhi “Como mudar o mundo“ de John-Paul Flintoff. E adorei. Em poucas horas já tinha terminado de ler e estava cheia de idéias.

O livro dá dicas práticas de como alcançar o objetivo de mudar o mundo.  No início pode parecer um pouco óbvio ou simplista demais, mas com o passar do texto até os pequenos exercícios se mostram bastante úteis. Além disso, discorre sobre o alcance de determinadas ações e como às vezes deixamos de valorizar as pequenas atitudes em detrimento dos grandes feitos de líderes ou pensadores.

Um exemplo é a situação descrita na página 16, que fala da queda do muro de Berlim:

No vigésimo aniversário da queda do Muro de Berlim, “líderes mundiais” foram à Alemanha a fim de discursar para multidões de ouvintes. Foi impressionante o fato de terem assumido o crédito por esse acontecimento histórico em particular, já que líderes mundiais tiveram pouquíssima influência na queda do Muro. Na verdade,  a barreira entre Berlim Oriental e Berlim Ocidental foi destruída porque muitos berlinenses comuns fizeram algo mínimo. Após testemunhar as mudanças significativas de que “o poder do povo” provocava em alguns países vizinhos, e após os protestos em massa na Alemanha Oriental, os berlinenses simplesmente foram até a fronteira para ver o que estava acontecendo. Soldados no posto de controle, estupefatos e igualmente cientes do que havia acontecido pouco antes em países vizinhos, abriram caminho para que eles transitassem de um lado para o outro da cidade. Logo depois, por já ter deixado de ser uma barreira afetiva, o muro foi demolido. O fato de “líderes mundiais” assumirem o mérito não desmerece a conquista, mas insinua que, ao mudar o mundo, não podemos necessariamente esperar reconhecimento”. (pg.  16)

Para quem já está engajado, indico como uma reflexão importante sobre estratégias para gerar mudanças e motivação para continuar a fazê-lo. Porém, este livro também me ajudou a refletir sobre alguns pontos relacionados a militância.

Algumas pessoas acreditam que a militância e o ativismo se fazem apenas nas ruas e nos protestos. Existe ainda quem acredita que não devemos nos pronunciar sobre determinados assuntos, que pensar em certas coisas nos deixarias louc@s, que política, futebol e religião não se discutem.

Mas o ativismo tem um conceito muito mais abrangente, abaixo elenco algumas definições:

A.ti.vis.mo: qualquer doutrina ou argumentação que privilegie a prática efetiva de transformação da realidade em detrimento da atividade exclusivamente especulativa.

A.ti.vis.ta: Membro por afinidade em alguma ideologia política ou social.
Pessoa que exerce uma atividade política ou humanitário com grande empenho. Militante.

Mi.li.tan.te: Membro ativo de uma causa; que se posiciona de uma forma similar aquela ideologia, trabalho, profissão, causa, envolvido diretamente, ativamente e se identifica através de sua postura pessoal.

Nós escolhemos a militância e o ativismo por causa de um ideal. Como feministas, nos posicionamos contra a realidade atual, que nos parece injusta. Há quem diga que já conquistamos muito… E é aí que devemos perguntar: mas de onde vieram essas vitórias? Foi pelo silêncio e inércia que conquistamos o que temos hoje? Ou alguém teve que se posicionar e lutar por uma realidade diferente?

Aqui, quando falo de luta, não me refiro especificamente a embates, guerras. Lutar por direitos é um exercício diário que se pode fazer das mais diversas formas. O apêndice de “Como Mudar o Mundo” cita 198 métodos de protesto e persuasão não-violentos, elencados por Gene Sharp. Além dessas, cita também as pequenas escolhas que fazemos no dia-a-dia e que podem contribuir para mudar a realidade, a nossa vida e a das pessoas em volta.

É o ombro amigo que agente escolheu dar pr@ amig@, o incentivo que damos às pessoas para arriscar uma atitude diferente, é a bandeira de paz no meio dos conflitos diários, é a discussão de família ou no trabalho que escolhemos participar para mostrar outro ponto de vista, ou mesmo a que não escolhemos  para nos preservar, é o sorriso com que retribuímos as palavras agressivas que dirigem a nós, é o presente não-sexista, o produto ou serviço que escolhemos adquirir ou não, é o bolo de aniversário feito com carinho, é a palavra de apoio e conscientização nos momentos difíceis,  é o ouvido e o abraço que doamos um pouquinho, o termo preconceituoso que deixamos de usar. Enfim, não faltam exemplos.

Minha militância é uma militância de paz, acolhimento, amizade. Dos risos, da dança-como-se-ninguém-estivesse-olhando, da ocupação dos espaços públicos — principalmente à noite —, da independência… a militância pode ser tão plural quanto nós mesm@s.

Muitas vezes não enxergamos o poder transformador de certas atitudes. Mas cabe a cada um@ de nós escolher o que queremos perpetuar ou transformar. No livro, o autor cita a ação de Rosa Parks,  jovem negra que, ao se recusar a entregar seu lugar no ônibus a passageiros brancos, acabou por desencadear um movimento contra a segregação racial nos Estados Unidos.

Rosa Parks em um ônibus, com outras pessoas, após a decisão jurídica que pôs fim a segregação racial nos ônibus na cidade americana de Montgomery. Foto de Don Cravens/Time Life Pictures.

Rosa Parks em um ônibus, com outras pessoas, após a decisão jurídica que pôs fim a segregação racial nos ônibus na cidade americana de Montgomery. Foto de Don Cravens/Time Life Pictures.

O legal de Como Mudar o Mundo é que ele dá várias dicas práticas, usando como exemplo ações atuais e históricas que fizeram a diferença. Além disso, ele ensina a se planejar para construir ações efetivas. Recomendo a leitura e convido tod@s ao exercício: se você quer mudar o mundo, qual é a sua militância?

Um mundo bom não é um mundo em que todos se concentram em problemas globais segundo  um conceito de”importância” imposto pelo ambiente externo. Um mundo bom é aquele em que  as pessoas encontram sentido em cosias especificas que elas fazem….” (pg. 88)

 

Autora: J. Oliveira. Nerd em tempo integral, baladeira nas horas vagas. Ativista de espirito e aventureira por hobby.

Comentários por Disqus